GERENCIANDO CRISES EM SEGURANÇA

     O exercício da segurança, seja pública ou privada, exige de seus participantes a plena conscientização da necessidade de uma doutrina de segurança e risco, de um ambiente bem organizado e de ferramentas adequadas.

     Nesse contexto, o cidadão, responsável pela sua própria segurança, a organização policial, responsável pela segurança pública, e as empresas de segurança privada, têm o dever de conhecer e avaliar os riscos prováveis que os cercam, a fim de evitá-los, preveni-los e inibi-los.

     Cabe, portanto, primordialmente a cada envolvido no processo, de forma isolada e conjugando esforços, estar devidamente motivado e preparado para cumprir o seu papel de forma pontual e determinante. Exercer essa capacitação gerenciadora de riscos nada mais é do que cumprir como o dever elementar de garantir a vida e preservar o patrimônio.

     Os esforços e investimentos em segurança ainda são subestimados, contudo, é imperioso mudar esse cenário para se ter diretrizes, procedimentos e medidas claras, objetivas e adequadas para extrair os melhores resultados gerenciando crises em segurança.